no ,

A biblioteca da Meia-Noite: 5 motivos para comprar esse livro

Entre tantos livros bons que ficaram famosos esse ano, aqui estão cinco motivos para você ler A Biblioteca da Meia-Noite

Lançado no começo de 2021, o livro ‘A biblioteca da meia-noite’ se provou ser muito mais além de um clichê sobre as crises de meia-idade, solidão e infelicidade. Esse livro é do gênero ficção, mas pode ficar calmo, ele não é aqueles livros com a linguagem arcaica muito difícil de compreender, é inteiramente escrito com linguagem simples e tocante.

Continua após a publicidade..

O escritor Matt Haig desempenha muito bem seu papel, e nos coloca nas mais diversas posições — mesmo que pareçam repetidas — contudo, com situações diferentes que nos prendem da mesma forma. Por isso hoje, vamos citar alguns motivos para você comprar A biblioteca da meia-noite, vamos lá?

a biblioteca da meia-noite

5 motivos para você comprar A biblioteca da meia-noite

1. Lições: O livro vai te imergir na vida triste e solitária da protagonista e você até ficará mal com isso, mas a partir do momento que você for colocado junto com ela dentro da biblioteca da meia-noite e entender sua finalidade, tudo ficará mais simples. O livro nos mostra de diversas maneiras que é possível obter sucesso de várias formas diferentes, não só sendo grandes atletas ou PhD em alguma faculdade, a felicidade pode estar em coisas simples também.

2. ‘Só se aprende a viver, vivendo’: Essa frase tem uma enorme importância e significado para o contexto que vivenciamos no livro. No enredo vemos como as nossas escolhas tem poder, e cada menor decisão pode levar a uma vida totalmente diferente da nossa atual. Não tem outro jeito de viver se não vivendo, indo para o mundo e enfrentando suas decisões e consequências — sendo elas boas ou não.

Continua após a publicidade..

3. Viagem no tempo e multiverso: E se você pudesse escolher uma oportunidade que você perdeu a anos atrás? E se você pudesse ver como teria sido a sua vida se você tivesse dito sim para aquele encontro? O livro aborda muito a temática do multiverso e da viagem no tempo, levando nossa protagonista a situações em quais ela se arrepende de não ter vivido.

Leia também: 5 filmes nacionais que você precisa assistir

BIBLIOTECA 2

4. Viva o momento: O livro sempre retorna a essa mensagem de que é sempre importante viver o momento, pois um minuto mais tarde pode ser tarde até demais — você entenderá isso assim que ler a primeira parte da biblioteca. Todas as pequenas coisas acontecem da forma que devem acontecer, por mais que elas doam. Viver no passado e pensando em como as coisas poderiam ter sido é apenas um jeito de atrasar a sua vida ao invés de te impulsionar para frente, e o livro utiliza bem essa mensagem para descrever as situações da protagonista.

Continua após a publicidade..

5. Capítulos curtos: Agora falando mais sobre a estrutura do livro do que sobre seu conteúdo, o livro conta com capítulos curtos, nada daqueles grandes e cansativos. A leitura é fácil e compreensiva, por mais que tenha sim vários elementos de ficção e basicamente uma mitologia própria, você consegue compreender bem e de maneira simples como aquele lugar ‘mistico’ funciona. Se você quer entrar no ramo da ficção, é melhor começar com um livro como esse, que emerge de forma básica e rápida seu universo, sem tantas complicações.

Leia também: O que é um mentalista?

BIBLIOTECA 3

Eu particularmente li A Biblioteca da Meia-Noite no ano de 2022, e ele foi uma das minhas leituras favoritas do ano todo. Realmente deixa uma grande reflexão sobre a vida e a forma como escolhemos viver, mas sem aquelas lições de moral clichês e ultrapassadas, entende?

Eu recomendo demais esse livro, e eu tenho certeza que independente do seu gênero literário favorito, esse vai te agradar bastante — de forma até bem surpreendendo, pode acreditar.

Será que eu consegui te convencer a ler A Biblioteca da Meia-Noite? Não se esqueça de compartilhar esse post com os seus amigos!

Esse post merece um GOSTEI ou NÃO GOSTEI?

FRIA CAPA

A psicologia das cores frias

QUENTE 1

A psicologia das cores quentes