no ,

Quem inventou o biscoito da sorte?

Embora muita gente possa pensar justamente o contrário, a origem do biscoito da sorte não tem relação direta com a China.

Biscoito da sorte
Foto: Pixabay

É comum em muitos restaurantes que os clientes recebam um pequeno agrado, como balas e até chocolates. No entanto, em muitos restaurantes chineses espalhados pelos países ocidentais, os comensais recebem algo um pouco diferente: o biscoito da sorte, um alimento com sabor de baunilha que vem com um pedaço de papel que conta com um aforismo ou uma profecia vaga.

Embora muitas pessoas possam associar automaticamente esses biscoitos da sorte a restaurantes chineses e, consequentemente, à cultura chinesa em geral, eles são, na verdade, originários do Japão do século 19 e dos Estados Unidos do século 20, como veremos ao longo deste artigo.

Foto: Pixabay

O surgimento do biscoito da sorte

De acordo com o History, na década de 1870, algumas confeitarias nos arredores de Kyoto, no Japão, passaram a vender um biscoito com uma forma dobrada e um papel incluído em suas curvas. Esse biscoito era conhecido como “tsujiura senbei”, que significa “biscoito da sorte”, de acordo com Jennifer Lee, autora do livro “The Fortune Cookie Chronicles”, que conta a história do biscoito.

Ainda assim, esse biscoito japonês, segundo Lee, era maior e mais escuro que a versão atual, sem falar que era feito com gergelim e missô, em vez da baunilha e da manteiga que são usadas como ingredientes principais dos biscoitos da sorte encontrados nos restaurantes chineses modernos.

Lee também citou a pesquisadora japonesa Yasuko Nakamachi, que disse ter encontrado esses biscoitos em uma antiga padaria perto de um santuário xintoísta popular nos arredores de Kyoto. Nakamachi também descobriu livros de 1878 com ilustrações de um aprendiz que trabalhava em um comércio de senbei fazendo o tsujiura senbei, junto com outros tipos de biscoitos.

Lee sugere que o biscoito da sorte provavelmente chegou aos EUA junto com os imigrantes japoneses que migraram para o Havaí e Califórnia entre os anos 1880 e o início dos anos 1900. Os padeiros japoneses abriram seus comércios em cidades como Los Angeles e San Francisco, fazendo os “biscoitos da sorte” com sabor de gergelim e missô, entre outras guloseimas.

Eventualmente, essas padarias passaram a adotar aroma de baunilha e a manteiga por serem ingredientes mais fáceis de encontrar no território americano. Por volta de 1911, também surgiram máquinas capazes de produzir os biscoitos em grande escala.

Foto: Pixabay

Como os biscoitos da sorte migraram das padarias japonesas para os restaurantes chineses

O biscoito da sorte, antes produzido por nipo-americanos, acabou nas mãos de padeiros sino-americanos durante a Segunda Guerra Mundial. Isso ocorreu depois que os japoneses bombardearam Pearl Harbor em 1941 e o presidente americano da época, Franklin D. Roosevelt, ordenou a realocação e o internamento de nipo-americanos por meio de sua Ordem Executiva 9066.

Na prática, essa ordem fez com que muitas empresas nipo-americanas viessem a fechar, incluindo as padarias que antes produziam os biscoitos da sorte. Consequentemente, isso deu aos empresários sino-americanos uma oportunidade indireta para produzi-los e vendê-los.

Mais de 100 anos depois, os biscoitos da sorte continuam sendo um grande negócio. A empresa Wonton Food, com sede em Nova York, é a maior fabricante de biscoitos da sorte do mundo, produzindo mais de 4 milhões deles diariamente e com uma estimativa de 3 bilhões de biscoitos produzidos anualmente!

Biscoito da sorte
Foto: Pixabay

A controvérsia por trás do biscoito da sorte

À medida que os biscoitos da sorte se tornaram um produto muito popular nos restaurantes chineses, eles também se tornaram alimento para estereótipos étnicos. Apesar de ter raízes históricas no Japão, esse biscoito encontrou terreno fértil em restaurantes chineses, o que levantou discussões entre algumas pessoas.

Usar coisas como biscoitos da sorte e caixas de entrega como simbolismos para a cultura chinesa, por exemplo, é algo bastante enganoso, visto que são invenções distintamente americanas e, de fato, o alcance global da cultura americana ajudou a perpetuar esses estereótipos em todo o mundo.

Leia Também: Para que serve o selo CE que encontramos em vários produtos?
Leia Também: Uma arma pode disparar ao ser derrubada?

No entanto, apesar dos equívocos e controvérsias sobre suas verdadeiras origens e seu uso indevido como um símbolo da herança chinesa, o biscoito da sorte ainda carrega consigo uma ressonância poderosa em toda a cultura americana.

Muito interessante, não é mesmo? Se você gostou deste post, não se esqueça de compartilhá-lo! 😉

Esse post merece um GOSTEI ou NÃO GOSTEI?

Remédios para dormir

Como funcionam os remédios para dormir?

Gripados

Por que não sentimos o gosto das comidas quando estamos gripados?