no

Por que temos nojo do cocô?

O nojo do cocô é uma bênção disfarçada graças ao nosso maravilhoso sistema digestivo e sistema imunológico comportamental.

Nojo de cocô
Foto: donabelandewen/Flickr

Você já parou para pensar no tamanho do nojo que temos do cocô? De fato, todos nós tendemos a manter distância de qualquer coisa que cheira a fazes, mesmo que remotamente. Dito isto, a pergunta que fica é: por que isso acontece?

Ao longo deste artigo, você vai ver que ter nojo de cocô é algo quase universal, sendo que existem algumas razões bastante sólidas por trás de toda essa repugnância.

Foto: Pixabay

As razões pelas quais temos nojo do cocô

O aspecto mais nojento do cocô é o cheiro, causado majoritariamente pela liberação de uma série de gases voláteis como resultado da atividade microbiana em nosso intestino. Os gases mais abundantes são dióxido de carbono, oxigênio, hidrogênio e metano, mas os principais culpados pelo fedor infame são o indol e o escatol. Eles são formados por bactérias intestinais que agem sobre o aminoácido triptofano que está presente em nossa dieta.

Vale destacar que certas bactérias em nossas fezes podem causar algumas doenças, como cólera, intoxicação alimentar e diarreia. É por isso que, além das barreiras naturais de defesa de nosso corpo, como nossa pele e nosso sofisticado sistema imunológico, também temos um sistema imunológico comportamental que nos impede de chegar muito perto de coisas que podem ser infecciosas, como o cocô.

Desse modo, podemos dizer que o nojo é uma parte desse sistema, fazendo o seu papel como uma defesa básica observada em muitas espécies. A maioria das secreções corporais apresenta o risco de nos infectar com doenças, de modo que a sensação de repulsa é considerada um mecanismo de prevenção de doenças.

Em termos evolutivos, os animais e espécies que conseguem ficar longe de patógenos prosperam e evoluem no planeta. Em humanos, a repulsa ao cocô leva à adoção de práticas mais higiênicas e, consequentemente, ajuda a diminuir o risco de doenças.

Foto: Pixabay

Nós aprendemos a sentir nojo?

A repulsa como emoção sempre intrigou muitos cientistas, dando origem a vários estudos e análises cerebrais que revelaram que quando confrontados com um estímulo gerador de repulsa, uma atividade cerebral significativa é observada na ínsula anterior e nas regiões da amígdala de nosso cérebro.

Na prática, isso significa que, aparentemente, somos programados para sentir nojo de nossas fezes por causa do risco que elas representam para o nosso bem-estar devido à sua composição.

Como o cocô é composto por bactérias muitas vezes causadoras de doenças, o seu odor repugnante gera uma resposta instintiva que, no fim das contas, faz parte de uma tática de prevenção de doenças. Em outras palavras, o cheiro horrível de fezes é bom para a nossa saúde, visto que nos mantém longe de algo potencialmente prejudicial para o bom funcionamento do corpo.

Foto: Pixabay

Uma palavra final

A repulsa é uma forte emoção universal, mas ocorre em intensidades variadas. Todos nós nos sentimos nojo, mas algumas coisas podem enojá-lo mais do que outras. Outro fato interessante é que, em alguns casos, você pode tolerar algo que outra pessoa considera nojento. A mãe de um bebê, por exemplo, geralmente não fica tão enojada com o cocô de seu filho.

Por outro lado, o fato de que ficamos mais enojados ao ver o cocô de outra pessoa do que o nosso ocorre por causa da consciência de que o cocô de outra pessoa traz consigo novos patógenos, sendo que essa consciência subconsciente nos faz ter mais nojo da “obra-prima” dos outros do que testemunhar a nossa criação no vaso sanitário!

Leia Também: Por que levantamos nossas sobrancelhas quando ficamos surpresos?
Leia Também: As cobras têm ossos?

O cocô é, em última análise, um indutor de repulsa e, portanto, ficamos longe dele e de todos os organismos causadores de doenças que ele abriga. Em suma, o nojo do cocô é uma bênção disfarçada graças ao nosso maravilhoso sistema digestivo e sistema imunológico comportamental que trabalham para nos manter vivos e seguros!

Muito interessante, não é mesmo? Se você gostou deste post, não se esqueça de compartilhá-lo! )

Esse post merece um GOSTEI ou NÃO GOSTEI?

As cobras têm ossos?

Por que os gatos gostam de tomar sol?