no ,

Uma pessoa inconsciente ainda pode sentir dor?

O estudo do mecanismo e da experiência da dor numa pessoa inconsciente pode ter consequências abrangentes sobre como ela deve ser tratada.

Durante muito tempo, a consciência (e autoconsciência) foi considerada um dos principais critérios para definir se um organismo “sente” dor, e é por isso que os psicólogos do passado pensavam que os bebês não podiam sentir dor, como explica o Boston Globe. Mas, dado que geralmente só podemos dizer se alguém está com dor se houver alguma resposta, será que uma pessoa inconsciente ainda pode sentir dor?

Continua após a publicidade..

Neste artigo, você vai descobrir que é provável que indivíduos inconscientes (especificamente, pessoas no estado minimamente consciente) sintam dor.

O inconsciente e a dor

Inconsciente
Foto: Public Domain Pictures

Uma forma de investigar essa ideia envolve perguntar a cuidadores ou profissionais da saúde que lidam frequentemente com pessoas inconscientes. Quando os médicos foram questionados, em um estudo de 2009, se as pessoas em estado vegetativo ou inconsciente poderiam sentir dor, 56% deles disseram que sim, e 68% dos cuidadores paramédicos também concordaram.

No entanto, não podemos confiar apenas na palavra deles. Isso porque, historicamente, tem sido imprudente concluir algo a partir de experiências subjetivas de segunda mão, mesmo que venham de pessoas que consideramos especialistas no assunto, afinal, a mente pode ser enganosa. Além disso, é possível confundir qualquer resposta com uma resposta à dor. Para evitar cair na mesma armadilha, devemos começar observando a fisiologia do cérebro e partir daí.

Continua após a publicidade..

Em um estudo de 2010 liderado por Caroline Schnakers, cuja equipe do Coma Science Group foca no estudo da dor, fez uma distinção entre como o cérebro recebe a dor e como o sujeito sente a dor e responde a ela. A partir do estudo, concluiu-se que é possível que o cérebro receba sinais de dor sem que a pessoa em questão “sinta” ou expresse isso.

Além disso, os pesquisadores distinguiram entre um estado vegetativo (determinado por uma visível falta de resposta a qualquer estímulo) e um estado minimamente consciente, onde alguma resposta repetível a um estímulo pode ser detectada. De fato, Schnakers e a equipe observaram resultados de varreduras cerebrais que indicavam que indivíduos inconscientes respondiam à dor em algum nível.

Continua após a publicidade..

Como a dor funciona no cérebro

uma pessoa inconsciente ainda pode sentir dor 2
Foto: Pexels

O cérebro é um órgão complexo, de modo que nem todos os processos cerebrais podem ser devidamente explicados. Para tornar as coisas mais gerenciáveis, os psicólogos tendem a registrar quais partes do cérebro respondem a estímulos específicos e tentam atribuir certas funções às partes ativadas com base no estímulo administrado.

Aplicando a mesma metodologia, os cientistas dividiram qualitativamente a experiência da dor pelo cérebro em três partes: o “cognitivo-avaliativo”, o “motivacional-afetivo” e o “sensório-discriminativo”, que em termos mais simples significa a resposta emocional que temos que sentir dor, como a dor afeta nossa motivação e a experiência sensorial de dor do cérebro, respectivamente. O que nos interessa aqui é a experiência de dor do cérebro e como ele a percebe.

A parte do cérebro relacionada à dor é controlada principalmente por partes do tálamo, o córtex frontal e as conexões entre eles (junto com outras partes do cérebro). A equipe de Schnakers também encontrou uma diferença em como a parte sensorial-discriminativa do cérebro respondeu à dor em pacientes em estado vegetativo versus aqueles que estavam minimamente conscientes.

Em pacientes em estado vegetativo, o córtex parecia reagir fortemente à dor, executando muitos processos corticais, mas havia uma desconexão observada nas vias neurais entre o tálamo e o córtex e dentro do córtex. Em pacientes minimamente conscientes, no entanto, tal desconexão não foi encontrada. Além disso, houve uma clara ativação do cingulado anterior (ligada à experiência de dor) que não foi encontrada em pacientes em estado vegetativo.

Ou seja…

Paciente inconsciente.
Foto: PxHere

Se analisarmos todos esses dados, é possível dizer que é provável que indivíduos inconscientes (especificamente, pessoas no estado minimamente consciente) sintam dor. No entanto, ainda não há pesquisas suficientes sobre a dor para comparar confortavelmente os graus de dor ou até mesmo detectá-la em alguns casos.

O estudo do mecanismo e da experiência da dor tem consequências abrangentes sobre como os pacientes devem ser tratados. Se não forem feitas estimativas precisas da dor sentida por pacientes inconscientes, os médicos correm o risco de administrar em excesso ou subadministrar medicamentos para a dor, os quais são problemáticos.

Leia Também: Os humanos conseguiriam respirar o ar de Marte?
Leia Também: Por que alguns tubarões têm cabeça em forma de martelo?

No fim das contas, isso é especialmente importante porque dar pouca medicação corre o risco de prejudicar o paciente, enquanto dar muito corre o risco de desencadear uma sedação excessiva e perda de sinais de retorno da cognição.

Muito interessante, não é mesmo? Se você gostou deste post, não se esqueça de compartilhá-lo! 😉

Esse post merece um GOSTEI ou NÃO GOSTEI?

Ar de marte

Os humanos conseguiriam respirar o ar de Marte?

Fast fashion

O que é fast fashion e quais são os seus impactos?